Douglas Wires, nasceu em 1971, é casado e mora atualmente no Rio de Janeiro, atuando no mercado de turismo desde 1995. Fluente em inglês, é emissor Amadeus e Sabre de passagens aéreas nacionais e internacionais. Trabalhou em empresas como: VARIG, OCEANAIR e CARLSON WAGONLIT, adquirindo sólidos conhecimentos e experiência em cálculos de tarifas aéreas, supervisão de reservas e negociação de serviços de viagens.

TÁXI AÉREO CLANDESTINO: UMA AMEAÇA QUE PODE PÔR O AGENTE DE VIAGEM NUMA ENRASCADA!

De vez em quando algumas secretárias me pedem cotação de táxi aéreo, e como todo agente de viagens quando não tem um fornecedor específico, acabo recorrendo a pesquisa no GOOGLE para fazer esse tipo de cotação.



Como critério de seleção de fornecedor, sempre dei prioridade a empresas de táxi aéreo que possuem uma frota considerável e bases em outros estados, como a LÍDER TÁXI AÉREO. Outro critério que utilizo é fazer fretamento de aeronave com cias aéreas regulares, o que fica mais difícil porque é raro fazer fretamento de um boeing, mas não tão difícil quando se trata de uma cia aérea regional, como a BRAVA LINHAS AÉREAS.

O que muitos clientes se esquecem é que preço não é o fator mais importante para avaliar esse tipo de transporte. De acordo com uma pesquisa da ANAC, 40% dos acidentes por pane de motor que ocorreram em 2013 foi com táxis aéreos, como ilustra o vídeo dessa reportagem do FANTÁSTICO no dia 13JUL2014.



Essa reportagem abriu os meus olhos quanto aos riscos que eu e os meus clientes estávamos nos expondo com o agenciamento de táxi aéreo. Muitas vezes você é induzido a acreditar que está contratando um fornecedor qualificado, julgando-o pelo site da empresa sem saber que o mesmo está atuando fora de uma legislação específica regulamentada por órgãos como ANAC e Ministério da Aeronáutica. 

Pelo Código de Defesa do Consumidor, se algum acidente acontecesse, eu, como a pessoa responsável por agenciar esse traslado, teria responsabilidade solidária sobre os danos sofridos pelo cliente que comprou o serviço contratado por mim. Vale lembrar, que supervisores, gerentes e diretores não manifestam suas opiniões se a agência de viagens deve prestar esse atendimento aos seus clientes. O que vejo, é que a maioria se esconde nas costas do agente de viagem que acaba se responsabilizando por todo atendimento ao cliente em prol da produtividade para dar lucro aos donos da agência.

Postar um comentário

CADASTRE SEU EMAIL E SEJA AVISADO SOBRE NOVAS POSTAGENS 

ÍNDICE DO BLOG