Douglas Wires, nasceu em 1971, é casado e mora atualmente no Rio de Janeiro, atuando no mercado de turismo desde 1995. Fluente em inglês, é emissor Amadeus e Sabre de passagens aéreas nacionais e internacionais. Trabalhou em empresas como: VARIG, OCEANAIR e CARLSON WAGONLIT, adquirindo sólidos conhecimentos e experiência em cálculos de tarifas aéreas, supervisão de reservas e negociação de serviços de viagens.

COMO REDIGIR EMAILS PARA DETONAR SEU COLEGA DE TRABALHO

EEsse texto nunca foi encaminhado à gerência da minha empresa. Foi escrito num momento de fúria quando percebi que o coordenador estava conspirando contra mim. Minha intenção aqui não é ensiná-lo a eliminar pessoas no seu trabalho, mas ensiná-lo a como escrever, pôr no papel aquilo que você está pensando. Infelizmente, as pessoas se interessam muito mais por assuntos de sexo e como fazer o mal do que leituras com teor mais informativo. Por isso a escolha de um tema polêmico para você continuar lendo esse artigo.


MINHAS PERCEPÇÕES SOBRE O POSTO DA MESBLA


Robson,


Durante esse tempo que tenho dado apoio ao posto da MESBLA tenho notado que a postura de relacionamento e de trabalho do MARCOS com os demais membros do posto não mudou. Não preciso entrar em detalhes pois sei que você se lembra das críticas a respeito dele vindas da MARIANA, do CARLOS, do DIEGO e tantos outros que já trabalharam com ele como coordenador. Nesses 3 anos de atendimento na MESBLA, já passaram por esse posto mais de 12 consultores, e nenhum deles conseguiu se adequar a forma metódica de trabalho que ele impõe as pessoas. Tanto que essa foi a razão principal da divergência entre nós. A forma dinâmica de como eu trabalho não se combina com a forma arcaica da coordenação do MARCOS.


É lamentável dizer que se hoje você precisasse trocar um consultor de viagens do posto da MESBLA por outro da nossa equipe, ninguém gostaria de trabalhar com o MARCOS devido ao seu temperamento ditatorial. O grau de rejeição dele é tão grande, que quando alguém da equipe tem alguma dúvida sobre reemissão de passagem aérea, eles perguntam mais a mim ou a PAULA do que ao MARCOS.


Sendo mais direto: o MARCOS perturba tanto o GILBERTO, que isso o deixa tão aborrecido no trabalho que acaba o desconcentrando, e consequentemente, ele perde a atenção e o foco no atendimento. Digo isso com sinceridade porque quando estamos sozinhos o GILBERTO desabafa comigo as mágoas que o MARCOS o causa. Mágoas essas que foram o motivo pelo qual ele cancelou de última hora a presença dele no evento da MOVIDA quando soube que o MARCOS estaria presente. Eu já aconselhei o GILBERTO a conversar contigo sobre essas coisas para tirar qualquer impressão negativa da conduta dele no trabalho, mas ele pensa que isso fará você julgar que quem está errado é ele.



Assim... A ausência do MARCOS em não ajudá-lo nas solicitações do portal self-booking e em sobrecarregá-lo com tarefas burocráticas que ele mesmo poderia fazer, tem feito do GILBERTO o saco de pancadas da coordenação do posto da MESBLA. Em prol da educação e do profissionalismo, tem se calado diante das atitudes insensatas tomadas pelo MARCOS. E por essas e outras razões, caso esteja cogitando o desligamento do GILBERTO, peço que RECONSIDERE. Ele está do meu lado e o vejo trabalhando sem parar, sem pedir hora-extra e o pouco que acessa a internet, para mim vale como um descanso. Ao contrário disso, o MARCOS responde um email e sai da posição de atendimento. Sei que estou exagerando, mas repare você mesmo quantas vezes o MARCOS levanta da cadeira e o tempo que fica fora sem trabalhar.



PRINCIPAIS TÉCNICAS DE REDAÇÃO
  1. Planeje a estrutura do texto.
  2. Crie um título que sintetíse o tema do email.
  3. Redija o texto na terceira pessoa.
  4. Redija dando conselhos, fazendo uma análise, avaliação ou testemunhando algo.
  5. Construa frases que exponham fatos de forma que não pareçam ser fofocas.
  6. Destaque seus argumentos pessoais ou seus pontos fortes com comparações.
  7. Jogue um contra o outro, manipulando outras pessoas para obter esse objetivo.
  8. Redija algumas frases de comoção para sensibilizar os sentimentos do leitor.
  9. Finalize o email incitando o leitor a tirar suas próprias conclusões.


VEJA AGORA AS PASSAGENS DE TEXTO ONDE FORAM APLICADAS ESSAS TÉCNICAS DE REDAÇÃO


O texto precisa ser curto e coerente com um argumento apoiando o outro. Na dúvida quanto ao tamanho, escreva primeiro no WORD e tente não ultrapassar uma página. Redija o texto de forma que cada parágrafo, frase e palavra  seja um link para contextualizar todo o texto como um só argumento.

Ao final, revise o texto para ter certeza de que não há contradições, frases sem sentido, ou passagens que fogem ao contexto do assunto de tal forma que venham a desviar a atenção do leitor do foco principal do assunto. 


O título em negrito é para ser escrito no campo ASSUNTO do email. Sua escolha aqui foi para dar um teor de testemunho por parte do autor sobre o que ele está vendo acontecer.

Já o nome refere-se a pessoa para quem a mensagem é direcionada. Se fosse para o RH, o nome ROBSON poderia ser substituído por AO DEPARTAMENTO DE RH.


Falar na 3ª pessoa fica mais fácil quando você se refere a alguém ou fala de algo para justificar que todos os problemas acontecendo com alguém ou em algum lugar é por causa do seu colega de trabalho. Dessa forma, é como se você não estivesse o acusando diretamente! Falar na 3ª pessoa é o primeiro passo para jogar uma pessoa contra a outra.


Redigir um texto dessa forma também lhe dá respaldo jurídico da empresa não julgar como acusações infundadas ou fofocas. E caso o leitor lhe fale que não precisava, basta responder: “EU SÓ QUIS AJUDAR” ; “SÓ ESCREVI AQUILO QUE VEJO ACONTECER TODOS OS DIAS”.


Quando você relata um fato, você obriga o leitor a se lembrar de tal acontecimento. Isso dá mais veracidade ao que você fala do que uma fofoca, pois pessoas que estão em cargos hierárquicos de nível de gerência para cima já estão acostumadas a não tomarem decisões de demissão ou repreensão baseadas em boatos ou fofocas, exceto se puderem ser comprovadas.

Qualquer opinião, relato ou explicação tem muito mais credibilidade quando é listado exemplos que complementam o contexto da mensagem para fortalecer seus argumentos. O importante é que o fato destacado como exemplo seja recente de tal forma que o leitor possa se lembrar dele com facilidade.


As comparações funcionam como meio de avaliação e podem ser usadas para denegrir as qualidades de uma pessoa quando comparadas com argumentos ou pontos fortes de outra pessoa. 

Na primeira passagem, é apresentado um cenário ao leitor onde todos os consultores tiveram problemas com o coordenador. Na sequência, o autor faz uma comparação pessoal para justificar que o problema com o coordenador não é somente com uma pessoa e justifica sua afirmação enaltecendo o seu ponto forte, que é a forma dinâmica de trabalho em contraste com a forma arcaica de trabalho do MARCOS que tem causado tantos descontentamentos.

Na segunda passagem, a comparação se dá por escolha, manipulando um cenário ou situação para induzir o leitor a pensar que os membros da equipe tem melhor relacionamento com o autor e com a PAULA do que com o MARCOS.


Na primeira passagem, o autor relata uma opinião que é unânime a todos e atribui a MARCOS uma posição de ditador devido ao consenso da equipe de considerá-lo assim. Logo, qualquer opinião ou acusação escrita deve ser a da maioria. Como “NINGUÉM GOSTARIA DE TRABALHAR COM O MARCOS”  e “...TEMPERAMENTO DITATORIAL...” Dessa forma, se o gerente chamar alguém da equipe para confrontar as acusações do texto com as opiniões das outras pessoas e perceber que são as mesmas, então seus argumentos de influenciar o leitor serão atingidos.

Na segunda passagem, o autor se envolve com a marionete, GILBERTO, fazendo-se de amigo dele para o leitor. O autor constrói uma frase tão bem elaborada que incita o leitor a chamar GILBERTO para uma reunião, já que ele não se move e fica calado. Caso tenha êxito, terá uma segunda vitória, pois ao conversar com GILBERTO para ouvir dele os seus descontentamentos com relação ao MARCOS,  o leitor inconscientemente o dará razão em tudo que ele disser, caso contrário, nem o chamaria para uma reunião.


Frases de comoção são aquelas que despertam no leitor uma sensibilização de apoiar o lado mais fraco, os injustiçados e oprimidos. Elas têm mais efeito quando são usadas técnicas de linguagem neurolinguística.
Uma delas pode ser vista nesta segunda passagem ao dizer no fim da frase “...peço que RECONSIDERE”. A apelação no final da frase, e ainda o RECONSIDERE com letras maiúsculas, fica muito mais gravado na memória do leitor, do que se fosse escrita: “E por essas e outras razões, peço que reconsidere o desligamento do GILBERTO, caso esteja cogitando.” 


É importante falar da coesão do texto, onde uma frase tem que dar apoio a outra. No parágrafo 4, o autor fala que GILBERTO está sobrecarregado, não tem ajuda no atendimento das solicitações de viagens feitas no portal self-booking, trabalha sem parar e sem pedir hora-extra. Isso tudo faz um contraste com a atitude de MARCOS que trabalha menos do que ele, provocando no leitor a curiosidade em querer observar isso também, o que aumentará mais ainda a sua ira de repreensão sobre MARCOS.

Nessa passagem, o autor também está jogando o leitor contra MARCOS apoiando-se numa fofoca que pode ser observada e comprovada por ele mesmo para tirar suas próprias conclusões. 

Postar um comentário

CADASTRE SEU EMAIL E SEJA AVISADO SOBRE NOVAS POSTAGENS 

ÍNDICE DO BLOG